As autoridades de saúde em Moçambique, continuam a apostar em acções de formação do pessoal e disponibilidade de meios de diagnostico e tratamento, para o controlo dos casos de cancro que no país, ainda é considerado um problema de Saúde pública.Estas acções, visam reduzir os actuais vinte e cinco mil novos casos que anualmente são diagnosticados no país, onde as estatísticas apontam para a existência de dezassete mil óbitos, dos quais, o cancro do colo do útero, mama e da próstata, lideram a lista dos que mais matam.E para reverter o quadro sombrio, vários têm sido os esforços do governo onde, através da ajuda de diversos parceiros, têm vindo a desenvolver acções conjuntas com vista a controlar a situação no país.Esta quinta-feira (06/05), a Fundação Clinton Health Access Initiative (CHAI), o MD Anderson Cancer Centre e a Medical Bridge, instituições norte americanas, procederam a entrega de diverso material e equipamento hospitalar destinado a apoiar actividades do cancro infantil e do colo do útero no Hospital Central de Maputo (HCM).Trata-se de camas hospitalares, ventiladores, bombas de infusão, mesas de exame, material para procedimentos invasivos, material para anestesia, material para biópsias, de entre outros, que serão alocados aos sectores de Pediatria e Ginecologia/Obstetrícia desta unidade sanitária.Ao contrário da CHAI e MD Anderson, a Medical Bridge surge como novo parceiro directo do HCM, sendo que, o seu campo de actuação estende-se em oitenta e seis países de cinco continentes.Após a entrega do material, Hélder Mendes, que interveio em nome dos três parceiros, sublinhou que, sendo a vida um bem precioso, era com muito orgulho e satisfação que canalizavam aquele material, para apoio as iniciativas de combate ao cancro, tendo sublinhado que, uma vez ser o HCM o último recurso de atendimento no país, aqueles bens iriam atender as necessidades de todos os cidadãos à escala nacional.Em um país, onde as estatísticas mostram uma tendência de aumento de casos na ordem de três a cinco por cento, o Director Geral do HCM, Mouzinho Saide, enalteceu e agradeceu o gesto, tendo destacado o papel importante dos parceiros em diversas iniciativas, para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes sobretudo os que padecem de cancro.O material, avaliado em nove milhões de meticais, vai ser alocado aos sectores de pediatria e ginecologia do HCM. (HCM-DCI)

Leave a Comment